quarta-feira, julho 21, 2010

Intervalo

Ninguém perguntou mas eu respondi...

Tem mais eu odeio DR mas hoje abri uma exceção tá, perdoai.

A minha vida passou por um período de intervalo, onde parei, analizei tudo que vinha acontecendo que era bom pra mim o que não era. Quem era bom pra mim, quem não era. O que estava me fazendo feliz o que não estava. E tal um técnico de futebol, efetuei algumas mudanças estratégicas. Um bom técnico, please, não comparem com o Dunga!

Por toda minha vida achei que amigos eram amigos e pronto. Não achava que eles fosse capazes de ser cruéis comigo ou de mentir. E não foi ingênuidade, foi burrice mesmo. o amigo sabe onde te atingir e isso pode ser letal! fikdik
Esse meio ano que passou foi difícil, tive que retomar coisas que eu achava esquecidas mortas e enterradas, e tive que esquecer coisas que me eram caras.

Esse ano a minha melhor amiga e eu rompemos relações, foram 18 anos, mas todo ciclo tem um fim. E olha que era BFF heim!
Doeu eu sofri muito, mas foi muito bom em outros aspectos, eu me abri a novas amizades, a novas perspectivas.
Psicóloga mode ON Descobri que eu estava em um zona de conforto e que se quizesse de fato que algo mudasse na minha vida teria que mudar minha atitude diante da vida.Psicóloga mode OFF

Junto com a ex-melhor amiga se foram outras amizades, que eu penso que eram de fato dela e não minhas, acontece.
Descobri que eu perdia tempo com coisas insignificantes, e eu de fato perdi tempo demais.
E talvêz mais importante, eu reformulei muito do meu pensamento; Eu sou passional demais, faço dengo, sou chata e possessiva. Colega eu faço beiçinho, ou melhor beição! que eu não sou mulher de micharia Percebi que isso só prejudicava a mim mesma. Que quem me magoa o faz com intenção de magoar mesmo, o fato de eu ficar triste ou não é problema meu.

Estou hoje mais racional pero no mucho , estou mais lúcida, estou buscando criar minha próprias oportunidades e abandonei o sentimento de posse. Pessoas são pessoas e não propriedades, e eu não entendia isso.
Eu acreditava que meus amigos eram "meus" e eles não são. A verdade é que muitos deles nem amigos eram. Pena...Mas o que passou é passado.
Agora é bola pra frente e agir, ainda tenho mais meio ano pra aprender a viver!

Sou humana, sou falha, mas também sou doce e tenho esperança! Essa sou eu...

Minha mãe sempre me disse: "Quem não sabe viver a vida ensina!" E ela está certa.






Enquanto eu escrevia esse post lembrei de uma poesia:

A lucidez perigosa

(Clarice Lispector)

Estou sentindo uma clareza tão grande
que me anula como pessoa atual e comum:
é uma lucidez vazia, como explicar?
assim como um cálculo matemático perfeito
do qual, no entanto, não se precise.

Estou por assim dizer
vendo claramente o vazio.
E nem entendo aquilo que entendo:
pois estou infinitamente maior que eu mesma,
e não me alcanço.
Além do que:
que faço dessa lucidez?
Sei também que esta minha lucidez
pode-se tornar o inferno humano
- já me aconteceu antes.

Pois sei que
- em termos de nossa diária
e permanente acomodação
resignada à irrealidade -
essa clareza de realidade
é um risco.

Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve
para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir
dos modos possíveis.
Eu consisto,
eu consisto,
amém.

Poema de Clarice Lispector arranjado pelo Padre Antonio Damázio

in: A Descoberta do Mundo, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984, p. 636

2 comentários:

Mínimos disse...

Cris, não deixa isso te derrubar não, você tem uma família linda, tem ao seu lado as pessoas que você mais ama no mundo, isso que é importante.

Ana Paula

LENIRA disse...

Você é forte e é uma serva do Senhor Jesus.Ele também sentiu o que vc está sentindo.Mas ele venceu e vc tb vai vencer,pois vc pode tudo naquele que te fortalece.Estava com saudades de vc.Beijos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Meu livro de cabeçeira:

Caros comentaristas:
De modo a nos poupar de atritos desnecessários aqui no blog peço aos colegas que, em suas mensagens, evitem promover inanas, coarctadas, inarmonias, agastamentos, chaças, debates inócuos, embates, embrulhadas, rabulices, encamisadas, ofensas, escaramuças, escarapelas, caceteiras, picuinhas, badernas, lides, quebra-paus, quebra-quebras, pleitos descabidos, quelelês, efervecências, questões de lana caprina, infestações, refregas, bafôs, pegas-pra-capar, pegadilhas, pegas, algazarras, pugilatos, pugnacidades, pugnas, logomaquias, peguilhas, pegulhos, brigas, quiproquós, triscas, quizilas, beiçoladas, galanas, vale-tudos, pelejas, bulhas, ralhos, beligerâncias, colisões, rolos, polêmicas idiotas, timacas, demandas, desordem, combates, gambérrias, armistrondos, remoques, campanhas insípidas, pampeiros, competências, tumultos, pancadarias, rancores, tendepás, muvucas, pendências, conflitos, confrontos, zangas, bangue-bangues, zanguizarras, tinido de armas, contendas, contenções, controvérsias destrutivas, renzilhas, choldaboldras, tropelias, oposições, provocações infundadas, sopapos, esparrames, pipocas, repontões, requestas, sarabandas, barafundas, arranca-rabos, arranca-tocos, arrancadas, arregaços, arreigações, arrepelamentos de barbas, arrepelações, porfias, jiribandas, jerimbambas, turmbambas, mirongas, sororós, barracos, porradarias, turras, derriças, certames, morticínios, arruaças, arruídos, desandas, desavenças, disceptações, discussões violentas, desfrontações, rusgas, cismas, resmungações, rosnaduras, desordens, testilhas, destruições do patrimônio público ou privado, assuadas, batalhas sangrentas, lutas desiguais, rotas, altercações, heteromaquias, retesias, estrupadas, retruques, litígios duros, afuleimações, prélios, frumentações, cruzadas, rivalidades inúteis, cavilações, reviretes, vuvus, rixas, contendas, mexeriquices, fuzilarias, bochicos e liças de qualquer espécie.
Grata
Cristina Freitas